A partir desta quinta-feira (9), até o meio do mês, a cúpula do Senado e o Anexo 1 serão iluminados com a cor vermelha, em homenagem ao Dia Mundial do Rim, celebrado em 9 de março. A iluminação especial foi solicitada pelo senador Eduardo Amorim (PSDB-SE), que, na sessão especial, na manhã desta quinta, em comemoração à data, alertou parta a necessidade de prevenção das doenças renais.

-É fundamental que a sociedade tenha consciência de que a doença renal é um problema de grandes proporções, mas que pode ser prevenido, com toda a certeza — Falou o senador, que presidiu a sessão.

No Brasil, quem coordena a campanha referente à data é a Sociedade Brasileira de Nefrologia. Nos últimos dois anos, aproximadamente 500 eventos foram criados pela entidade em prol da causa. O tema deste ano é Doença Renal e Obesidade. Estilo de vida saudável para rins saudáveis. A ideia é alertar a população com relação aos perigos do sobrepeso, que podem levar à doença renal crônica.

 

Em um dos materiais da campanha, a Sociedade Brasileira de Nefrologia faz sete perguntas:

 

  1. Você está acima do peso ideal?

 

  1. Tem pressão alta?

 

  1. Você sofre diabetes mellitus?

 

  1. Há pessoas com doença renal crônica (DRC) na sua família?

 

  1. Você fuma?

 

  1. Você tem mais que 50 anos?

 

  1. Tem problemas no coração ou nas veias (vasos) das pernas, ou seja, doença cardiovascular?

Se qualquer uma dessas questões forem respondidas com “sim”, é necessário consultar um nefrologista.

Diálise

A doença renal crônica não tem cura, mas pode ser tratada. De acordo com relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS) de 2015, a doença atinge cerca de 10% da população mundial. No Brasil, esse número representa aproximadamente 1,5 milhão de brasileiros, e mais de 100 mil pessoas passam pelo processo de diálise diariamente – técnica que substitui, de forma parcial, algumas das funções do rim –, de acordo com a Associação dos Centros de Diálise e Transplante (ABCDT).

Apenas no Distrito Federal, cerca de 1,5 mil pacientes realizavam diálise em 2014. A estimativa é que 10% da população adulta possua algum quadro de perda de função renal, segundo a Secretaria de Saúde do Distrito Federal.

Fonte :Agência Senado